quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Reflexões de Fim de Ano




É engraçado como tento entender até as coisas erradas que acontecem na minha vida. Nunca imaginei viver as coisas que estou vivendo, na hora e intensidade que estou vivendo. Mas tudo, para mim, tem um bom motivo por trás, então vamos lá.
A primeira coisa que queria ressaltar é como a minha irmã é importante na minha vida! Ela não foi muito companheira no começo da minha vida. Sendo sincera, temos nossas desavenças veladas até hoje. Mas se tem uma coisa que eu tenho certeza nessa vida é que ela sempre vai estar do meu lado. Seja para beber ou me ajudar quando eu pedir alguma coisa… ela sempre estará aqui (e isso é recíproco). Também não posso esquecer de contar as coisas que aprendi com os erros dela, isso é muito importante! E ter alguém caminhando na sua frente te dá uma visão diferente das coisas. 
Segurança. Sim, em meio ao caos. Aprendi que tenho que ter foco nos meus objetivos e parar de ter medo de errar! E isso vale para as tarefas simples do dia-a-dia, que somadas, fazem toda a diferença ao longo dos dias. Tenho que parar de ficar me lamentando e ir lá e fazer. Simples! E eu sei muito mais coisas do que eu imaginava que sabia! E eu posso saber muito mais coisas se eu tiver foco e dedicação diária! Então, lição mais que necessária (espero que aprendida) no momento. 
Às vezes, precisamos de uma válvula de escape! Isso nos ajuda a não jogar tudo para o alto, nos ajuda a aprender com os erros (nossos e dos outros), nos ajuda a ter uma visão melhor do que estamos passando. Identificar essa válvula de escape também é um processo difícil. Melhor ainda se ela te ajudar na sua evolução como pessoa. Eu queria muito mais respostas do que estou tendo até agora, mas eu já consigo ver que tudo isso está ajudando na minha. 
E aprendi que eu sou uma pessoa independente. E isso não faz de mim um monstro! Pelo contrário, isso faz de mim única no mundo. Isso faz com que eu seja importante na vida das pessoas, pela ajuda que consigo dar a elas, pela minha experiência e visão de mundo. Só que para isso preciso viver essa minha independência! Eu estava a muito tempo sofrendo pelo que o outro não podia me dar. E o que eu estava fazendo por mim? 

“Liberdade é saber amar sem pertencer. É viver sem dominar” 

E mais do que independência, eu não sou responsável pela salvação do outro! Eu não tenho que viver pelo outro e o outro por mim. Eu não tenho que passar pelas mesmas experiências que a outra pessoa. Cada indivíduo tem sua missão aqui na terra, cada um tem um crescimento individual a ser cumprido! E quem sou eu para julgar ou me intrometer! Acredito que de todas, essa foi a mais difícil de entender! 
Eu que sempre busco respostas, me perco em meio a fórmulas e conceitos que não me cabem. Isso atrapalha demais minha evolução. Me desperta sentimentos que não deveriam existir na minha vida, como a ansiedade excessiva que tenho. Essa sede de ver as coisas acontecendo acaba me privando de sentir o momento, ou as fórmulas que venho seguindo travam essa minha sede por viver… Espero que as minhas lições aprendidas façam algum sentido para alguém, mas acredito que o conhecimento de mundo de quem lê vai mudar a interpretação da leitura. A verdade é que estou estranhamente surpresa em querer compartilhar isso.